quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Betânia quer achar o menino Kovalsky


Betânia Gloria Campos (foto) é uma veterinária que mora na Vila Paris, faz caminhadas no parque e se comoveu com o desaparecimento de um menino de dois anos de idade, João Rafael Kovalski, que brincava no quintal de sua casa, no dia 24 de abril de 2013, na cidade de Adrianólis, no Paraná, e nunca mais foi visto.

Ela tem um filho da 1 ano e nove meses e a foto da criança desaparecida a comoveu tanto que agora sai pelo parque colando cartazes nas árvores, distribuindo folhetos, virou uma militante quando verificou o descaso com que as autoridades tratam os 40 mil desaparecimentos de crianças anualmente no Brasil.

Em Minas Gerais, segundo Betânia, são registrados 20 casos todos os dias, mas a polícia pouco faz. Por falta de pessoal, ausência de cadastro nacional e pouco interesse de políticos e da grande mídia, que dá pouca divulgação ao assunto.


As principais causas do desaparecimento, quando há sequestro, são para adoção ilegal, tráfico de órgãos, exploração sexual e trabalho escravo.


Um comentário:

  1. Ângela de Andrade27 de janeiro de 2014 02:21

    Meu Deus, acho isso muito triste e fico comovida também! Fico imaginando o que está se passando com quem está desaparecido e como está a família, o coração dos pais, é horrível, simplesmente horrível! A estatística é muito alta, 20 desaparecimentos por dia! Triste, muito triste! Na verdade, insuportável!
    Ângela

    ResponderExcluir