terça-feira, 27 de maio de 2014

Ludmila é quase cega, mas vê a vida com alegria e desafios a vencer

Toda segunda, quarta e sexta-feira, de manhãzinha, ela faz sua caminhada no Parque da Barragem, antes de seguir para a malhação na Academia Alta Energia. 

Passos firmes, sempre sorrindo, Ludmila Mendes Diniz (foto) não demonstra em nenhum momento a sua deficiência visual.  

Mas ela praticamente não enxerga, vê apenas vultos. Sua deficiência foi consequência de uma toxoplasmose contraída pela mãe na gravidez. 

Mas a sua quase cegueira não a impediu de estudar, concluir o curso superior de Pedagogia, passar num concurso público em Contagem e ser supervisora pedagógica de uma escola municipal. Antes, atuava como professora itinerante, dando aulas para outros deficientes visuais em várias escolas da capital.

Para chegar ao trabalho, ela pega três conduções: um ônibus do São Bento, onde mora com os pais, para o Centro, de lá pega o metrô até a Estação Eldorado e dali outro ônibus, que para na porta da escola.

Até o Ensino Médio, estudou em braile, no Instituto São Rafael. Fez o cursinho auxiliada por voluntárias que atuam na Biblioteca Pública Municipal: gravava as aulas, uma colega copiava os exercícios em papel carbono e sua “personal voluntária”, Cristina, lia para ela ou traduzia os textos em braile. 

Foi assim também nos quatro anos da faculdade e na preparação para o concurso.

Realizada com a profissão, Ludmila não se aperta, e utiliza com desenvoltura toda a tecnologia à sua disposição: seu computador “fala”, e o iPhone lê até as cores, uma grande ajuda na hora de escolher o que vestir, ou as notas de dinheiro.

“Meu maior desafio é cozinhar”, confessa ela, que está fazendo um curso de culinária. Descascar uma batata é tarefa complicada, pois manejar a faca, tarefa simples para quem enxerga bem, pode se tornar um problema completo para quem não vê.

“Tenho sempre um desafio a vencer, todos os dias”, diz ela, bem humorada. Nada que a impeça, por exemplo, de usar com destreza o Excel do computador para controlar atrasos de professores e alunos, uma de suas tarefas do cotidiano, que desempenha com desenvoltura e competência. (post Tetê Rios) 

4 comentários:

  1. Que exemplo dignificante, maravilhoso de persistência,
    de vontade férrea. Um exemplo para todo Ser Humano.
    Deus te ampare sempre, Ludmila.

    ResponderExcluir
  2. A Ludmila é um exemplo de que, mesmo com obstáculos, podemos fazer a vida sempre feliz. Trabalho na mesma escola que ela e tenho orgulho de vê-la em ação, sempre com um sorriso no rosto!

    ResponderExcluir
  3. Ângela de Andrade28 de maio de 2014 14:28

    Também eu fiquei tocada com a força e persistência da Ludmila. Que pessoa espetacular! Deve ser muito bom conviver com uma pessoa como ela que valoriza cada momento da vida.
    Que você continue a ter esse sucesso conquistado com tanto empenho. Você tem uma visão interior que falta à maioria das pessoas, pode saber, e isso é o bem maior da vida.
    Parabéns, gostei de te ver.
    Forte abraço,
    Ângela

    ResponderExcluir
  4. Oi Ludmila fico admirada com sua persistência e bom humor. Que Deus continue ao seu lado pois você é um exemplo para todos nós. Parabéns e sucesso em todos os seus projetos e propósitos.Tia Marré

    ResponderExcluir